sexta-feira, 31 de outubro de 2008

olhar ao espelho

Infelizmente ou felizmente, tenho escrito sobre o que os meus olhos tem "sentido" nos ultimos tempos,que tem sido de mudança intensa...
As sensações pareçem ser analisadas tal como se fossem derradeiras,
sempre na esperança de encontrar respostas justas para o injustificável.
Por vezes,nesta casa, tenho um unico desejo; de sair.pois as recordações passam rapidamente a presenças contínuas e constantes nestes meus dias
que vou passando, sempre com a esperança que as boas recordações fiquem
e que as más, pela sua existencia também existam(?), mas por pouco tempo...
Os dias não despertam para nada, a não ser a esperança de reencontrar um
novo caminho rapidamente,pois por este, tive que voltar para trás.
Acredito;acredito que a esperança e a resisténcia,possam ser benévolas comigo e permitir que um dia, consiga "estabilizar" o instável,organizar a anarquia
que vai pairando e objectivar a mudança tal como se fosse a única oportunidade para encontrar a felicidade,seja ela qual fôr ou onde fôr...
tenho as pessoas certas ao meu lado.
Só preciso, de acreditar que tudo o que se passou foi uma consequencia de um único acto menos ponderado.
Arrependimento?Não.
Fazia tudo de novo?Não.
Fui feliz?Fui.
Sou mais feliz agora?Sou.
São os exames e auto-esclarecimentos que como este,que constantemente alimentam-me a razoabilidade de certas situações incompreensíveis;
Errar pode se tornar uma consequencia inequivoca, da insanidade ou até da intolerancia.
Eu,prefiro continuar acreditar na segunda hipótese.
O mais belo que a vida me tem dado nos ultimos meses,
é provar que a amizade e amor, podem coexistir sem a necessidade de aprisionar ou de apagar a nossa própria identidade.
Agora já começo a sentir que o Amor pode ultrapassar o orgulho e ser espartano na vontade de se instalar na minha vida com a segurança natural que pelos menos, o que foi muito mau no amor,já aconteceu...duas vezes.
Assim, talvez vá finalmente presentear a nostálgia com a vontade de amar e
de ser amado.E...porque não?

Amitab(mito) 2008





"Sem amor por si mesmo, o amor pelos outros também não é possível. O ódio por si mesmo é exactamente idêntico ao flagrante egoísmo e, no final, conduz ao mesmo isolamento cruel e ao mesmo desespero "

Hermann Hesse











2 comentários:

Fortun@ disse...

"E... porque não?" Porque sim!Porque todas as pessoas merecem amar e ser amadas! Certo? ;)

paula disse...

Fico contente, que já tenhas as pessoas certas ao teu lado e que mais uma vez estejas aberto a amar e ser amado.

Ao contrário de ti, nos últimos meses não tive as pessoas certas ao meu lado, não me ensinaram nada de bom e só me fizeram desacreditar, como sabes...

Tive imensos sinais e intuições mas quis acreditar na suposta "transparência" que parecia existir.

Tu bem me ias avisando, amigo!
Mas como é que se faz quando nos depararmos com seres que mascarados de anjos, são génios na arte da dissimulação, e da retórica, sabes dizer-me, tu que já viveste tanto?

TUDO O QUE ENGANA DEVE SER DITO PARA ENCANTAR - Platão, não é?

Não estou "olhar ao espelho" como tu, mas a fazer aquela retrospectiva que se faz quando algo/alguém morre e a decidir pôr cães de guarda à porta da minha quinta :-)

Como para mim, desejo que a vida te continue a presentear com tudo aquilo que mereces.