segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Tangerina

Vieirinha
Olhares.com
.......................................................................................................................
V. desfruta de uma peça de fruta, uma tangerina,que lentamente tira a casca e coloca no saco de plástico...


A cada pedaço de casca,"descasca-se" a ele próprio,pensando e reflectindo,porque foi parar ali sozinho aquele jardim,onde os bancos de madeira,que outrora pintados de um verde azeitona,são meros pedaços de madeira,corroídos por "tantos" corpos que por ali,se sentaram,
para descansar de uma longa caminhada,libertar a solidão por algumas horas ou simplesmente estar...
V. estava;ia estando,pensando porque razão tinha numa mão uma tangerina semi-descascada e noutra o livro vermelho de Mao Tsé Tung, com a páginas ligeiramente amarelecidas,mas com a capa plástica com um vermelho resistente e intemporal.
abre a primeira página,tal como se fosse o véu que cobre a fotografia de Mao...
destapa a primeira folha e fecha o livro.Pensou um dia, que podia fazer parte de uma comuna,onde cada qual era um todo,pelo bem de uma sociedade nivelada no desempenho,nos direitos adquiridos,na partilha ideólogica...
Hoje, V. come o terceiro gomo da tangerina e suspira pelo movimento envelhecido do jardim,das plantas e árvores descaídas e dos corpos que por ali deambulam,na busca de mais uma dose de esquecimento,ao ritmo das moedas que vão recolhendo a quem passa e a quem teme...
V não teme, já temeu.
V come o último gomo da tangerina e deixa fechar os olhos, saborear o doce-acido,e sobretudo,trincar afincadamente o ultimo caroço...
poderia semea-lo e ver crescer uma tangerineira para colher mais frutos alimentado o seu belo prazer de fim de tarde.
prefere ser egoísta e amanhã, tentar comprar mais uma tangerina na frutaria da esquina.
Assim, poderá sentar-se no velho banco e acreditar que este irá,um dia destes,renascer em tons de verde-azeitona vivo,tal como ele espera, que as suas crenças e ideologias retomem o seu sentido e razão de viver.

Amitab(Mito)2008




"A política é uma guerra sem derramamento de sangue, e a guerra uma política com derramamento de sangue "




Mao Tsé Tung

3 comentários:

Sketch... disse...

... e os loucos ate fazem os saos cometerem loucuras...

Mito disse...

Sinceramente...acho que a ultima vez que ouvi essa frase, foi o james woods a pouco no "Family guy"

obrigado pela visita:-)

Sketch... disse...

arrancaste me uma gargalhada.... fui apanhada! pois foi. estava ao telemovel com o meu irmao, e , desliguei a chamada olhei para a tv e tananana..... e fiquei com ela na cabeca....

no entanto aplicou se a seria.... Nao foi?

Obrigada pelas palavras. Foram lindas. Se conseguisse dormir, iria dormir bem disposta , assim tenho tempo para me arrasar um pouco mais.

beijo