terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Feliz Natal


Autor: Ricardo Dinis
Olhares.com

Por vezes,dizem-me que as palavras que aqui vou colocando,são reflexos do meu estado de espírito.
Por vezes, dizem-me que são experiências que vou vivendo e vou pondo aqui,palavra por palavra,com toda a centrifugação sentimental permitida pelas mudanças que eu, estou a viver.
Por vezes dizem-me que este espaço, é um quadro de recados para outros.
por vezes dizem-me que lamentam,por vezes dizem que bonito,por vezes dizem, que tenho de melhorar a ortografia,por vezes dizem que não visitam mais o meu blog,porque ficam demasiados sensíveis,porque são próximos de mim e sentem o que eu eu sinto.
Hoje, vou dizer o que sinto.
Sinto-me triste,porque á um ano atrás, tinha uma família;
Tinha uma companheira, que na altura era o meu ancoradouro,onde atracava e sentia-me seguro,nos dias de tempestade.
Porque á um ano atrás, convivia diariamente com os meus filhos;sabia que amanhã estaria com eles e ver a alegria deles,ao desembrulharem as prendas de Natal,pois se existe magia no natal é partilhar com uma criança o sonho e magia desta época de união,de amor,de amizade,de carinho.
Hoje, decidi que por estes motivos, a minha noite de consoada está de luto,pois a família que eu ajudei a construir, já não existe,ficando unicamente os laços de sangue que me unem aos meus dois filhos.
Eles, estão longe.Estão com a Mãe e irão passar este primeiro Natal,longe do Pai.
Eu, também irei passar este dia longe deles.
Penso que estamos todos perante um desafio emocional único;
Sim, sinto saudades deles,mas até a adaptação a esta nova realidade,é sem sombra de dúvida mais um desafio.Eu chamo-lhe o Desafio.
A todos os visitantes deste espaço, desejo um Feliz Natal:
Estejam em Família,sozinhos ou separados dos que mais amam.

"As famílias felizes parecem-se todas; as famílias infelizes são infelizes cada uma à sua maneira"Léon tolstoi

2 comentários:

Sabor a Menta disse...

E já que estamos numa de confissões...
Confesso que sigo atentamente este "espaço e emoções",
Confesso que me tocaram fundo as tuas palavras,
Confesso que entendo não percebendo,
Confesso que daquilo que resta da pessoa que em tempos conheci, sinto quase fisicamente a tua saudade e a tua dor pela perda...
Confesso que te adoro, de uma maneira torta, estranha, quase sem explicação... e que também eu, este Natal visto-me de luto, não por aquilo que foi, mas por tudo aquilo que não foi.

Um beijo grande!

Mito disse...

serás sempre especial...

talvez porque o nosso tempo foi desviado do destino,aprendemos a valorizar o que de bom ficou.
e ficou muita coisa boa:-)

bjs